Redes Sociais
Redes Sociais

Dor Cervical ou Cervicalgia – Avaliação e Tratamento

31 Outubro, 2017

O fenómeno da cervicalgia nos dias de hoje.

A dor é um fenómeno complexo e multifatorial que pode incidir em diversas partes do nosso corpo. A cervical é uma das zonas onde as queixas e incapacidade por dor têm vindo a aumentar, sendo atualmente a 4ª causa de incapacidade funcional afetando aproximadamente 50% das pessoas em pelo menos um episódio clinicamente importante ao longo da vida. É mais comum estes episódios ocorrerem em mulheres e associam-se a outra sintomatologia como enxaquecas, dor lombar, artralgias e/ou depressão.

A dor crónica cervical tem como fatores de risco a genética, desordens do sono, ser fumador, ter uma vida sedentária ou em constante stress, enquanto que episódios únicos de dor estão associados a trauma. A atividade laboral também pode estar associada a esta sintomatologia, com maior incidência em indivíduos que utilizam computadores e/ou praticam trabalho manual. Pessoas com baixo grau de satisfação pessoal no trabalho também são mais acometidos por este tipo de sintomas.

A dor cervical pode-se dividir de acordo com a sua duração – agudo (até 6 semanas), subagudo (até 3 meses) e crónica (mais de 3 meses), e categorizar-se consoante a causa: mecânica, neuropático ou secundário (dor referida do coração ou patologia vascular). A dor mecânica surge por acometer o de estruturas de suporte (vertebras, ligamentos, músculos) enquanto que a dor neuropática surge por lesão do sistema nervoso periférico por hérnia discal, osteófitos, estenose, entre outros. A avaliação deste tipo de queixas deve ser realizada por profissionais de saúde especializados através de um exame rigoroso da história clínica e também uma avaliação física para diferenciar a sua causa. Indivíduos com dor neuropática descrevem os seus sintomas como choque elétrico, picada ou queimadura enquanto que a dor por causa mecânica se caracteriza normalmente como latejante. O tratamento desta condição tem várias abordagens mediante a sua causa, no entanto a terapia através de exercício físico adequado e progressivo tem excelentes resultados na eliminação da sintomatologia.

Fisioterapeuta Luís Guilherme Correia

Posted in Lesão Desportiva, Saúde by admin